astrespiramides

astrespiramides

quinta-feira, 20 de abril de 2017


A verdadeira felicidade, encontra-se em seguirmos o nosso coração que é como dizer, fazer o que realmente gostamos, passamos a maior parte das nossas vidas presos a trabalhos que nos castram, a pessoas que fazemos por suportar, a lugares que nos causam repulsa, e a tantas outras situações que nos reprimem, e vamos encontrando desculpas para a nossa miséria,  e porquê? vivemos condicionados pelos nossos medos, esquecemo-nos de viver, ou pior ainda pensamos estar vivendo mas morremos a cada instante, e a vida é tão breve para desperdiçarmos os anos, os dias mesmo as horas que a partir do nascimento vão ficando menores, é necessário parar um pouco e perguntarmo-nos “ o que eu quero de verdade, quais são os meus sonhos, o que desejo viver”, e a partir desse instante reprogramarmo-nos, vencermos os medos e percorrermos o caminho que leva ao destino escrito por nós, o universo retorna a cada um  aquilo que lhe damos, somos o que pensamos, então só quando nos amamos e aprendemos a viver unos com o universo, podemos ter o brilho das estrelas e voar de encontro aos raios de sol não como Ícaro, nas com a leveza de uma ave que aprendeu a voar.



Maria José Pereira

Foto Peniche

terça-feira, 11 de abril de 2017

um abraço


Pode haver pouca coisa na vida, mas… quando alguém nos estende os braços e acontece um abraço forte, quente e verdadeiro, é como uma explosão dos sentidos onde o Ser é transportado ás reminiscências do passado em que  a mãe nos abraçava e nos sentíamos seguros é aquela energia inexplicável que brota de uma pessoa para a outra, e energiza todo o dia  como uma explosão de flores multicores de várias fragâncias a brotar do universo.

Maria José Pereira ( Luna)

sábado, 25 de março de 2017


O tempo vai passando, vamos amadurecendo,

O que procurávamos outrora, que valorizávamos,

As capas sobre capas que nos protegiam

Por vezes tão subtis que nos tornamos prisioneiros

E acabamos caindo nas mesmas repetições,

Vitimas de nós mesmos…

Vão perdendo a utilidade

Isto acontece no momento que olhamos para dentro de nós

E deixamos de buscar no exterior a inexistente

Formula mágica da felicidade

Somos responsáveis pelo que fazemos ou dizemos

Não como os demais as recebem.

A verdadeira felicidade encontramos

Quando sentimos a paz interior

E os alicerces da vida

Presentes na família e nos verdadeiros amigos.


Maria José Pereira (Luna)

quarta-feira, 22 de março de 2017


Amizade,

É como um por do sol que se renova cada dia, como um nascer do sol que nos dias de nuvens negras faz a manhã se tornar radiosa, amizade é um sentimento de esperança que estende os braços num abraço de força e amor desinteressado, amizade é a estrela que brilha na noite pardacenta da solidão interior, é o ombro doado, a boca em silêncio do coração que sabe escutar, a verdadeira amizade é partilhar mesmo o que já não se tem.  E com isso sentir a amplitude de felicidade partilhada.


Foto de S.Martinho do Porto
M.José Pereira ( Luna)

quarta-feira, 30 de novembro de 2016


Raiva

A raiva não passa de uma forma de extravasar a nossa dor que se encontra acumulada e em algum momento deixamos sair palavras bruscas agressivas cheias de mágoa que em outra altura não seriamos capazes de pronunciar. Mas a raiva não passa de um reflexo da tristeza e como a tristeza faz doer e não queremos sofrer vamos refreando os sentimentos e em um determinado momento a raiva acontece como uma explosão, mas não passa de um ataque para nos protegermos, essa raiva é como um buraco negro onde as coisas menos boas se vão acumulando  e como por vezes não vemos saída, como um íman vamos captando e guardando essas energias negativas, acredito que muito do que nos acontece no momento é reflexo de escolhas passadas , são como toques do universo para nos mostrar que precisamos fazer uma reflexão sobre a nossa existência o que fizemos a nós mesmos de errado e aos que passaram e passam na nossa vida, quando algo nos dói tomamos decisões que consideramos serem melhores para nós mesmos e nem pensamos nos estragos que podemos fazer no coração das que se cruzam no nosso caminho, por isso Jesus nos ensina a amar e perdoar não só aos que amamos mas em especial aos nossos inimigos, quando o nosso coração repousa a vida ainda que dorida é mais fácil de transportar.

Foto Nazaré
Maria José (Luna)

domingo, 2 de outubro de 2016



Amor,

É como abrir as asas e num abraço envolver todos os seres do Universo com o calor verdadeiro que brota da alma sem fazer destrinça dos indivíduos, bons, menos bons ou mesmo os que julgamos animalizados, o verdadeiro amor não é o dos sentidos, aquele que cobra, que magoa, o amor é algo sublime, dádiva pura, entrega total, pois ele sabe que quando recebe o seu irmão está a acolher a chispa divina que Deus criou e ajudar alguém que se perdeu pelo livre arbítrio nas escolhas erradas a voltar ao espirito do criador, por isso como diz a primeira carta de Paulo aos coríntios, “  O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
O amor nunca falha “, porque só o amor pode edificar, pode fazer renascer dentro de cada um de nós o que algum dia foi perdido pela procura exterior de colmatar qualquer vazio existencial.

Maria José Pereira
Foto tirada a caminho de Espanha, porque o amor vive no universo a natureza mesmo em escarpas rochosas nos mostra o símbolo do amor


terça-feira, 9 de agosto de 2016



Pedras, construções, segurança, ornamentada de beleza, talvez seja assim desde todo o sempre, chegamos a este mundo tão frágeis e conforme vamos crescendo incutem-nos as regras de sobrevivência, temos de ser os melhores, protegermo-nos do mundo e dos seus habitantes, erguendo castelos, muralhas á nossa volta e para não nos sentirmos prisioneiros de nós mesmos precisamos de toda a manifestação de força e beleza exterior, quantas vezes isso nos leva à degradação e perda incondicional da vida e do sentido da mesma. Mas a nossa alma grita nessa prisão sem grades, grita que precisamos de sair do nosso mundinho da nossa zona de conforto, estarmos abertos ao novo, acreditar que não é porque não se vê que não existe e deixar essa beleza que subsiste dentro de cada um de nós descobrir quem somos, a razão porque fazemos esta viagem e para onde vamos no caminho de volta, para quem não acredita na vida eterna, que está seguro que tudo acaba com a morte física, quem sabe se sair dessa zona de conforto algo possa acontecer, ou não, pois não sou dona da verdade.

 Foto de Alhambra
Maria José Pereira ( Luna)